Na estrada com o Marchador

Check list para as competições

  • Flávia Zago
  • 11/02/2020
  • 15h44

 

 

 Os campeonatos do Mangalarga Marchador já começaram nos quatro cantos do país. Nos criatórios, o time de pista já está formado. E para que tudo saia bem e dentro do previsto, fizemos uma lista com itens importantes que precisam ser vistos e revistos, antes de partir para a competições.   

 

Treinamento

Seu cavalo está bem treinado?

Os cavalos são como os atletas e precisam de uma rotina de exercícios especiais de no mínimo quatro vezes por semana.

Animais sedentários que são levados para concursos de marcha sem treinamento correto correm sérios riscos em sua estrutura como nos tendões, nos ligamentos e nas articulações.

Casos de Mioglobinúria Paralítica (processo inflamatório, que acomete os músculos esqueléticos dos membros posteriores do cavalo, causado por acúmulo de ácido lático) geralmente ocorre em equinos superalimentados com concentrado durante longo período de repouso e submetidos, posteriormente, a exercícios físicos fatigantes. Então antes de escalar um animal para a pistas, avalie as condições. E lembre-se que tudo tem o seu tempo.  

Documentação

É extremamente importante conferir a documentação do animal transportado. Ela necessita estar em dia e seguir as exigências da organização dos eventos. Todo motorista deverá portar o exame de Anemia Infecciosa Equina dos cavalos, éguas, potros e potras. Em algumas regiões os transportadores precisam ter também o atestado negativo de Mormo. Além disso, o GTA (Guia de Transporte Animal), o atestado de vacinação contra a Influenza Equina e o atestado de saúde do animal realizado por um veterinário também precisam estar em dia.

Transporte

Outro cuidado essencial é quanto às condições físicas do veículo de transporte. Eles deverão ser próprios para equinos, bem ventilados e que não tenham nenhum problema estrutural exposto como parafusos, lascas de madeira e ferros soltos.

Os caminhões abertos também podem ser utilizados, mas deverão ser cobertos por lonas, não esquecendo é claro, de abrir frestas para ventilação. Nesse tipo de caminhão, a cama deverá ser de feno, pois se for de serragem o animal poderá ter problemas oculares e respiratórios, devido à penetração de poeira com o vento.

Outra dica válida, são as capas protetoras para os animais que podem ser utilizadas durante o deslocamento.  

Pausa no caminho

Dependendo da distância, o motorista do caminhão deverá parar para dar água aos cavalos. Andar um pouco com o animal para tirar o desconforto da viagem é uma dica preciosa, já bastante praticada.

Instalação no parque

Observar as condições do local onde o animal competidor vai ficar também é fundamental.

A baia deverá estar devidamente forrada e com cocho limpos. O cuidado com a quantidade de água ingerida quando um cavalo chega ao parque é outro fator importante. O consumo exagerado de líquido pode causar as cólicas, assim o indicado é fazer com que os animais bebam água aos poucos.

Vale lembrar que essa água pode ser rejeitada pelos cavalos, pois muitos são acostumados com o líquido de sua região, se isso ocorrer, o conselho é usar a água mineral.

Tirar os animais das baias para o reconhecimento local também influencia no bem-estar do cavalo. Para os treinadores que desejarem exercitar o seu animal, o parque dispõe de espaço para a atividade.

Casos clínicos  

Casos de tosse, espirros, dificuldades respiratórias, cólicas e claudicação são os problemas mais frequentes em uma exposição.  Quando o animal começar com esses sintomas, o recomendado é apresentá-lo urgentemente na clínica veterinária instalada no parque. Uma dica fundamental é verificar constantemente o estado físico do cavalo. Suspeite de cólica quando não tiver fezes de um dia para o outro na baia e quando o animal se debater e ficar apenas deitado.

Crioterapia

A crioterapia, ou tratamento com gelo é uma medida terapêutica eficaz quando adotada corretamente. Hoje ela é muito usada na fase prodômica (primeiros sintomas) da Laminite, nas contusões e lesões nas fases agudas e para descanso do animal. Mesmo sendo um tratamento simples, requer cuidados, como indica o veterinário, “ tem gente que por qualquer motivo já aplica gelo. Saber quando aplicar é fundamental para o bom resultado do tratamento”.